Puerpério

Puerpério

Até ficar grávida não lembro de já ter ouvido falar essa palavra: Puerpério. É conhecido como “resguardo”, pós-parto, etc… O que eu posso dizer é que é um período INSANO! Segundo essa definição do dicionário, acho que o estado geral da mulher nunca mais volta às condições anteriores à gestação. É impossível! Aqui em casa as primeiras semanas foram punkrockhardcore. Tudo que eu havia lido não deu conta de como é a realidade. Eu havia me preparado a gestação inteira para um parto normal mas houve a necessidade da cesária. Eu, que morro de medo de sangue e tenho pavor de cirurgia, cheguei em casa me achando aquela personagem do circo que é cortada ao meio pelo mágico. Dói, dói pra cacete o pós-parto. Junto a essa dor, descobrimos que até a gente chegar na plenitude das modelos nos cartazes de incentivo à amamentação demora um taaaaaanto.

No segundo dia de vida da Gabriela, meus seios já estavam mega feridos. Eu não sabia que bebês sugavam feito um peixe limpador de aquários: o Cascudo! 😀 As três visitas aos bancos de leite e o apoio do meu companheiro e do meu grupo de ex-buchudas (agora mães) foram fundamentais.

Todo apoio (sem pitacos por favor!) é super bem-vindo. Principalmente com a casa, com compras de supermercado, com comida (gratidão aos meus sogros e aos amigos que vem nos visitar trazendo guloseimas! <3) Os hormônios ficam ainda mais loucos, dando a impressão que estão saltando de bungee jump. Minha pele ficou horrível, cheia de espinhas no melhor estilo adolescente e os cabelos foram perdendo o brilho e o movimento maravilhindo da gravidez. É um momento em que a gente passa por cima das nossas próprias necessidades só pra cuidar de um mini serumaninho que nem sabe ainda direito que saiu da barriga.

Como aqui em casa dividimos os cuidados da melhor forma possível, ainda consigo tomar um banho direito e parar pra comer de vez em quando! Estou começando a acreditar que nosso cérebro deleta essa fase para que a humanidade não deixe de existir. O mais difícil pra mim é compreender o que cada choro quer dizer e ter que tomar decisões o tempo todo. Aos pouquinhos vamos nos entendendo. A impressão é de que vivemos uns 4 anos em quase 2 meses.

Apesar disso, ACREDITE, é uma experiência fantástica cada vez que a gente pega esse pacotinho no braço, que vemos aquele brilho nos olhinhos…Com o passar dos dias as coisas vão melhorando, a gente vai se reinventando e a cada dia o amor só aumenta! Estamos chegando aos 3 meses e as coisas estão se encaixando. Nossa rotina doida tá quase voltando ao normal e a cada dia estamos mais felizes sendo uma família de 04 integrantes (nós + Gabi + Tina!) <3

Comente! :]


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *